Quando a bananeira está na fossa.

Você já se perguntou para onde vai o nosso esgoto? Será que o destino que a empresa de saneamento dá a ele é o mais adequado? O nosso esgoto não deveria possuir alguma utilidade para nós e nossa família? A primeira pergunta pode ser facilmente respondida, pois todo esgoto coletado nos sistemas oficiais de saneamento é direcionado a estações de tratamento. Vale dizer que esse sistema possui o inconveniente de tratar , “tudo junto e misturado”, as águas cinzas (pias, chuveiros, …) e os dejetos do vaso  sanitário, tornando o processo muito caro e complexo.

Porém, a segunda e a terceira questões acima já podem nos trazer respostas mais diversas.  Talvez você não saiba, mas, ao longo do tempo, muitos estudiosos já se perguntaram sobre a possibilidade de sistemas alternativos e ecológicos (e até mesmo econômicos!) de tratamento de esgoto. Sistemas que possam converter o resíduo em benefício, independentemente de serem implantados em áreas urbanas ou rurais.

Frequente ouvimos dizer que pessoas constroem as chamadas “ fossas negras”,  ou seja, a fossa rudimentar (caipira),  para descarte do esgoto em suas casas. Na verdade, estudos demonstraram que a fossa negra já é um processo muito obsoleto e equivocado para o descarte do esgoto.

Nas últimas décadas, contudo, foi criada a Fossa Septica , sendo a primeira unidade inventada para o tratamento de esgotos e, até hoje,  a mais extensivamente empregada e encontra-se dentro da norma NBR 7229. Seu processo consiste em uma caixa de decantação e outra com um filtro anaeróbico, onde  os microorganismos consomem  a matéria orgânica biodegradável na ausência de oxigênio. Porém,  esse método ainda é uma fonte de tratamento primário, onde estão presentes substâncias nocivas para o meio ambiente e para nós humanos, como o nitrato, fósforo, potássio, magnésio, carbono, nitrogênio.

Fonte: https://www.fazfacil.com.br/reforma-construcao/como-funciona-a-fossa-septica/

Após o tratamento primário, o material é conduzido para um terceiro tanque (sumidouro) sem fundo, para que esse material seja absorvido pelo solo.  Esse procedimento possui dois inconvenientes: o primeiro, que já mencionei, que  matéria ainda possui substâncias podem contaminar o solo, o segundo que é o posicionamento desse terceiro tanque, que possui aproximadamente 1,5m de altura e é enterrado a uma profundidade em que  o solo já não possui microorganismos para a decomposição das substâncias existentes. Os microorganismos na terra ficam a uma profundidade de até 40 centímetros. Quanto maior a profundidade, mais vai rarear a quantidade de microorganismos. Por essa razão, o solo contamina-se e, em consequência,  o lençol freático e tudo que estiver próximo ao local fica comprometido, como, por exemplo,  uma horta.

Estudos mostraram que, para melhorar esse processo de modo a transformar os dejetos em nutrientes para o solo, a solução é o chamado Saneamento Ecológico.  Esse processo possui uma caixa para decantação do efluente, uma caixa com filtro anaeróbico e um canteiro bioseptico ou Bacia de Evapotranspiração.  Essa Bacia de Evapotranspiração constitui-se de duas valas de 30 cm de profundidade, dimensionadas para a necessidade do local, em cujo fundo se coloca tijolos quebrados e entulhos, formando “vazios” onde os microorganismos podem se instalar e realizar a decomposição do esgoto. Um cano perfurado irá atravessar toda a extensão da vala, espalhando o material para ser digerido pelos microorganismos e, depois, absorvidos pelo solo como nutrientes para as plantas. Entre as duas valas é plantada uma vegetação que se sinta ambientada a esse tipo de solo mais encharcado, como, por exemplo,  a bananeira (a bananeira transpira em torno de 30 a 70L de água por dia). Os microorganismos que ficam em suas raízes digerem o dejeto e o restante serve de nutriente para a planta.

Fonte: Foto gentilmente cedida pela empresa Permacultura Aboré. Construção de um saneamento ecológico na cidade de Indaiatuba- SP. data: 31-01-2020.- Vala de 30cm de profundidade com entulho no fundo. Será coberto com terra e ao lado plantarão bananeiras.

Fonte: Foto gentilmente cedida pela empresa Permacultura Aboré. Construção de um saneamento ecológico na cidade de Indaiatuba- SP.- Filtro anaeróbico com fundos falsos e vazados para o material fazer o percurso ascendente e ser filtrado em cada anel. Em cada anel será preenchido um por entulho, outro por pedrisco,  outro areia, etc. data: 07-02-2020.

Por isso, mais do que nunca, hoje é preciso de desmistificar a ideia do esgoto como algo “proibido”. É muito importante saber que, embora seu contato direto seja muito perigoso, se ele for tratado da forma correta, poderá ser muito útil.


Gostou? Compartilhe agora mesmo!

Graduada em Arquitetura e Urbanismo pela PUCCAMP, e pós-graduada pela UnyLeya, como Especialista em Arquitetura, Construção e Projetos Sustentáveis. Atua há 19 anos com projetos e construções sustentáveis, e consultorias para empresas e indústrias.