Arquitetura Sustentável

Bons ventos nos trazem

Uma boa edificação começa com uma boa implantação no terreno, de tal forma que os ambientes possam aproveitar as condições climáticas do entorno para seu interior.

Ao locar um edifício no terreno, podemos trazer a nosso favor, vários fatores como insolação, ventilação, iluminação para que os ambientes tenham um conforto térmico adequado.

Uma vez que a locação do edifício esteja adequada, as janelas escolhidas deverão estar bem dimensionadas e muito bem localizadas nas fachadas, para que a entrada de ar traga qualidade ao ambiente interno, tanto no quesito da insolação, como na ventilação e iluminação.

Existem técnicas eficazes para se conseguir esse conforto.

Um estudo feito por Bittencourt e Cândido, no livro Ventilação natural em edificações, compara a eficiência das entradas de ar horizontais, verticais e quadradas.

As entradas horizontais aumentam a eficácia da ventilação que entra pela janela. Já a colocação de janelas verticais (como protetores solares, por exemplo) modifica o rendimento da abertura horizontal em função da direção do vento e da inclinação do painel.

Aberturas em paredes adjacentes serão eficientes se estiverem em formato predominantemente horizontal.

Essas entradas e saídas de ar em um edifício dão-se pela diferença de pressão entre as fachadas que estão a favor do vento e contra o vento (barlavento e sotavento).

Um artifício muito utilizado em arquitetura é a ventilação cruzada, em que são posicionadas janelas mais baixas na região de maior pressão e janelas mais horizontais e próximas à laje no lado de menor pressão. Segundo Gandemer, 1989, citado por Bittencourt e Cândido, 2010, “essa ventilação poderá ser otimizada se as aberturas forem distribuídas em três diferentes fachadas”.

Seguem alguns exemplos demonstrativos em planta e corte:

Janelas Sheds permitem a iluminação natural a e saída do ar quente que se acumula na parte mais alta da construção.

Os beirais longos e varandas beneficiam os edifícios térreos porque redirecionam a corrente de ar para dentro do edifício. Já os elementos vazados podem funcionar como redutores de velocidade dos ventos, dependendo de onde forem instalados.

As torres de vento, muito utilizadas quando ainda não existiam os ares condicionados, são usadas para refrescar o ambiente interno. Este sistema consiste em uma torre de captação de vento na qual um lado recebe o vento ou a brisa para dentro do edifício sem partículas de sujeira, poeira. A pressão “puxa” o ar quente dos ambientes para fora, pelo outro lado da torre, diminuindo a temperatura interna dos ambientes.

Dessa forma, constata-se a importância de um projeto bem elaborado, para fazer do vento um importante aliado, e possibilitar ao usuário vários benefícios e economia, como, por exemplo:

  • Economia de energia elétrica
  • A não necessidade de se instalar ar condicionado.
  • Conforto térmico
  • Qualidade do ar interno
  • Boa iluminação, eliminando a necessidade de acender luz no período da manhã.
  • Insolação correta no período da manhã.

Compartilhar:

Postado em Sustentalibize-se.

Graduada em Arquitetura e Urbanismo pela PUCCAMP, e pós-graduada pela UnyLeya, como Especialista em Arquitetura, Construção e Projetos Sustentáveis. Atua há 19 anos com projetos e construções sustentáveis, e consultorias para empresas e indústrias.