Rebio Serra Negra - INBS

Belezas cênicas no Sertão: Um olhar sobre a Rebio Serra Negra

Belezas cênicas naturais são todos os atributos provenientes das paisagens  que momentaneamente ou permanentemente podem ser aguçadas ou tornar-se  agradáveis  aos sentidos visuais e auditivos do ser humano em uma determinada localidade e espaço de tempo.  È tudo aquilo que é atraente ou admirável aos olhos humanos, sem causar incômodos ou agravos aos sistemas sensoriais. O Sertão do Nordeste brasileiro é marcado pelos seus aspectos característicos de paisagens naturais distintos podendo ser seco e verde em virtude dos baixos índices de precipitação pluviométrica verificados.

     Figura 1. Rebio Serra Negra. Fonte: SANTOS, PR. (2016).

 

Contudo, como todo ecossistema natural há discrepâncias em relação as caraterísticas, conforme citado anteriormente,  fatores  bióticos (relações ecológicas que se podem observar no ecossistema, tais como a predação, o parasitismo ou a competição) e abióticos (influências que os seres vivos recebem em um ecossistema, tais como a luz, a temperatura, o vento, etc.,) e condições  edafoclimáticas,  como por exemplo, fatores do meio tais como o clima, o relevo, a litologia, a temperatura, a humidade do ar, a radiação, o tipo de solo, o vento, a composição atmosférica e a precipitação podem provocar mudanças ambientais em larga escala.

 

Figura  2. Bioma caatinga. Fonte: Google Maps.

 

Como exemplo de belezas cênicas e mudanças ambientais  tem-se a Reserva Biológica de Serra Negra, que se encontra circundada por uma vegetação característica do bioma caatinga, representando um dos “brejos de altitude” do estado de Pernambuco onde em termos fisionômicos, o tipo de vegetação dominante é a floresta ombrófila montana densa (RODAL; NASCIMENTO, 2002; RODAL et al., 2005; PEREIRA et.  al., 2010). Denomina-se de floresta serrana ou brejo de altitude, associada à floresta aberta (floresta ombrófila sub–montana) e as matas caducifólias nas encostas médias e inferiores voltadas para a direção dos ventos (PEREIRA, et al., 2010). Está inserida no território pertencente a três municípios distintos, a saber: i) Floresta; ii) Inajá; iii) Tacaratu, entre as coordenadas geográficas de “08º38’00” e 08º35’00” Latitude Sul e de 38º02’00” e 38º04’00″ Longitude W.Gr (DECRETO nº 87.521/82). Os percentuais territoriais dos municípios citados, que abrangem UC são os seguintes, a saber: Floresta – 0,28%; Inajá – 0,88%; Tacaratu – 0,82%. (FUNDAÇÃO JOAQUIM NABUCO, 2017).

 

 Figura 3. Rebio Serra Negra. Fonte: SANTOS, PR. (2016).

 

Reserva Biológica de Serra Negra é um dos espaços especialmente protegidos com Lócus no semiárido brasileiro, sendo uma das unidades de conservação (UCs) pertencentes ao grupo de unidades de proteção integral. Foi criada através do Decreto nº 87.591 de 20 de setembro de 1982 (FUNDAÇÃO JOAQUIM NABUCO, 2017), e posteriormente, inclusa as categorias explicitadas pelo Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza – SNUC – Lei nº 9.985\2000. É considerada como uma das belezas cênicas mais vislumbrastes do Sertão do estado de Pernambuco. Conforme os ditames estabelecidos pela legislação ambiental brasileira, em especial para este caso, o Sistema de Unidades de Conservação (SNUC), a Rebio Serra Negra assim como todas as reservas biológicas é uma das áreas significativas no que tange a rica biodiversidade, riquezas naturais e demais atributos ambientais nela existentes.

 

 Figura 4. Rebio Serra Negra. Fonte: SANTOS, PR. (2019).

 

A visitação pública a esses espações protegidos é reprimida exceto quando houver objetivo educacional. Pesquisas científicas necessitam de ordem prévia e estão sujeitas ao plano de manejo de cada REBIO e às restrições do órgão responsável por administrá-la. Se constitui como um grande exemplo de conservação e preservação dos recursos naturais imprescindíveis e essenciais para as presentes e futuras gerações.

 

Referências

BRASIL. Decreto nº 87.591, de 20 de setembro de 1982, que cria, no Estado de Pernambuco, a Reserva Biológica de Serra Negra. Diário Oficial da União, 27 de set. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2007/Dnn/Dnn11351.htm .  Acesso em: mar. 2018.

Fundação Joaquim Nabuco. Mapeamento e análise espectro-temporal das unidades de conservação de proteção integral da administração Federal no Bioma Caatinga, Reserva Biológica Serra Negra. Disponível em: https://www.fundaj.gov.br/images/stories/cieg/CAPITULOS/cap17_rebioserranegra_caatinga_fundaj.compressed.pdf.  Acesso em: mar. 2019.

PEREIRA, R.C. A; BARBOSA, J.I.S. Flora de um “brejo de altitude” de Pernambuco: reserva ecológica da serra negra. In: Anais da academia pernambucana de ciência agronômica. Recife. v. 7, p. 286-304,2010.

RODAL, M. J.N; NASCIMENTO, L. M. Levantamento florístico da floresta serrana da reserva biológica de serra negra microrregião de Itaparica, Pernambuco, Brasil. Revista Acta Botânica Brasileira. v. 16. n. 4, p. 481 – 500. 2002.


Compartilhar:

Postado em Temas Ambientais.

Graduado em Tecnologia em Gestão Ambiental (IFPE); Especialista em Gestão, Licenciamento e Auditoria Ambiental (UNOPAR); Pós-graduando Lato Sensu em Educação Ambiental Interdisciplinar (UNIVASF) e Mestrando em Desenvolvimento e Meio Ambiente (PRODEMA\UFPE). Atua como pesquisador nas linhas de pesquisa de Gestão e Tecnologia Ambiental junto a UFPE. É revisor da Revista Brasileira de Meio Ambiente. Recife, PE.