A importância da pesquisa em educação ambiental

Conceito de educação ambiental

Entende-se por Educação Ambiental como o processo que tem como objetivo a mudança de hábitos, atitudes e a consolidação de valores éticos em prol do meio ambiente ou das questões ambientais. São competências e aptidões voltadas para a preservação do meio ambiente. O conceito de Educação Ambiental se reveste de prioridades e particularidades em todos os campos do conhecimento intelectual e cientifico da atualidade.

Educação ambiental formal e não formal

Este campo das ciências interdisciplinares no cotidiano se repercute e podem ser praticados de maneira não formal no ambiente empresarial, nas comunidades indígenas, rurais e agricultáveis e nos mais diversos espaços públicos e privados. De maneira Formal deve ser incorporada como uma práxis transversal e interdisciplinar conforme determina as políticas e normatizações criadas para este fim. A educação ambiental formal deve incluir todos os envolvidos e formadores de opinião ali inseridos como gestores, professores, alunos, pais, comunidade, e outros sem que seja empregada como uma disciplina única, enquanto assim a lei não determinar, mas podendo ser incorporada em todas e entre as disciplinas.

Pesquisas em educação ambiental

A pesquisa na área de educação Ambiental neste seguimento torna indispensável para que se possam ser divulgados e mostrados os artifícios a ser adotado para impedimento dos agravos provocados aos recursos naturais por meio de um processo de sensibilização ambiental que tem como objetivo informar os efeitos gerados por determinados atos cometidos ao meio ambiente, bem como tornar o cidadão ativo e participante em relação aos problemas ambientais.

Investigações no campo da Educação Ambiental tem que ser uma práxis insistente e motivadora para alcance dos objetivos pretendidos que é o de ampliar o viés da pesquisa cientifica de modo que possa através deste desenvolver um senso crítico nos pesquisadores, pessoas e comunidades frente aos enigmas ambientais provocados pelos diversos fatores modificadores de paisagens antrópicos. Além disso, tem-se como fator principal no crescimento humano e consciente de que temos que ter uma vida saudável e justa perante os nossos objetivos e poder publico.

Os anseios da humanidade e dos governantes em relação à melhoria da qualidade de vida são pensados na atualidade somente pelo viés econômico esquecendo-se dos bens naturais e benefícios que ela pode nos proporcionar com o seus serviços ecossistêmicos. As politicas púbicas da atualidade são criadas e executadas somente para a exploração dos recursos naturais existentes e ações em prol do crescimento econômico em detrimento preservação e conservação dos bens tangíveis, recursos renováveis e não renováveis. Além disso, tem-se percebido aumento do quantitativo de degradação dos bens naturais através de fatores modificadores de paisagens como o desmatamento, queimadas e poluição, e outros em proporções alarmantes. Por isso a necessidade da pesquisa neste âmbito do conhecimento para que sejam avaliadas, adotadas e executadas politicas publicas ambiental em favor do meio ambiente ecologicamente equilibrado conforme determina o artigo 225 da atual Constituição Federal Brasileira (CRFB -1988).


Gostou? Compartilhe agora mesmo!

Graduado em Tecnologia em Gestão Ambiental (IFPE); Especialista em Gestão, Licenciamento e Auditoria Ambiental (UNOPAR); Especialista em Direito Ambiental (UCAM); Pós-graduando Lato Sensu em Educação Ambiental Interdisciplinar (UNIVASF) e Mestrando em Desenvolvimento e Meio Ambiente (PRODEMA\UFPE). Atua como pesquisador nas linhas de pesquisa de Gestão e Tecnologia Ambiental junto a UFPE. É revisor da Revista Brasileira de Meio Ambiente. Recife, PE.