“ 3 ” – O número mágico. Da sustentabilidade ao modo de vida inteligente

Por coincidência, ou por um questão métrica, “dois”parece não ser o suficiente, mas “três”já é suficiente para criar um padrão, exemplificar conceitos e retratar idéias.

No campo da sustentabilidade, vários conceitos são retratados de forma triangular, que eu gosto de acreditar, simbolizam a relação entre todos eles.

A sustentabilidade em si, se apresenta em 3 dimensões, que devem estar em equilíbrio, ainda que dinâmico, para garanti-la. A dimensão econômica, a dimensão social e a dimensão ambiental. Na interseção e equilíbrio destas três dimensões reside a sustentabilidade ( ver figura 1)

Figura 1 – Dimensões da Sustentabilidade

Quando trazemos a questão da sustentabilidade para as organizações, encontramos outra representação de 3 dimensões: A ecoeficiência, que resulta da interação entre a dimensão econômica e a dimensão ambiental e diz respeito ao melhor aproveitamento dos recursos em função dos benefícios esperados.A Inserção sócio-econômica que trata da atitude organizacional frente às possibilidades de desenvolvimento equitativo dos indivíduos frente aos objetivos da organização( ver figura 2 )

Figura 2 – representação gráfica da sustentabilidade organizacional

O conceito de Desenvolvimento Sustentável, para alguns, intercambiável com o da sustentabilidade tem ainda como premissas o lucro, o planeta e as pessoas

Ainda no que diz respeito ao tema da sustentabilidade, podemos nos desviar um pouco do centro e tratar das empresas éticas, e da forma como elas se comportam. R. Patrus, em seu trabalho “Modelo de Empresa Ética” afirma que estas, diferentemente das “anti-éticas” e das empresas “maquiadas”, têm marco ético referencial que contempla igualmente a ética da responsabilidade , mais voltada aos resultados, fins…. a Ética afirmativa da humanidade e a Ética da Virtude, que compreende melhor o papel da coletividade, e é engajada em propósitos mais nobres e sustentáveis( ver figura 3).

Figura 3 – Modelo de empresa ética

Ao associarmos o conceito de sustentabilidade aos projetos e iniciativas de cidades inteligentes podemos ligá-las, ainda a três objetivos básicos: Competitividade, qualidade de vida e garantia de disponibilidade de recursos (ver figura 4)

Figura 4 – Objetivos das iniciativas de cidades inteligentes
Muitas são as possibilidades ao desenvolvermos projetos de cidades inteligentes, mas a observação do equilíbrio, tanto entre as dimensões da sustentabilidade quanto aos objetivos e benefícios esperados é fundamental para garantir a aplicabilidade e evitar os déficits geracionais que o desequilíbrio pode trazer à sociedade como um todo.

Sustentamo-nos

H.F.Maciel

Fontes:

Farias, Rossato & Dörr. 2014

Munck., Bansi, Dias & Cella-de-oliveira, 2013

Barbieri, Vasconcelos, Andreassi & Vasconcelos, 2010

Patrus & Patrus-Pena, 2007


Gostou? Compartilhe agora mesmo!

Mestre em Administração na PUC-MG, MBA em Marketing na ESPM, especialização em Business pela U. C. Berkeley e em Gestão de Transportes pela Fundação Dom Cabral. Vasta experiência como executivo, atua como consultor, professor e é membro do conselho de administração de empresas no setor de transportes urbanos. Experiência profissional adquirida em mais de 15 anos de atuação em empresas de diferentes segmentos de mercado bem como em Private banking na SUÍÇA, por cerca de 2 anos. Coordenador do Núcleo de Pesquisa e Inteligência da Câmara Brasileira de Comércio Eletrônico - Camara-e.net - Cidades Inteligentes e a Economia Digital